16 de out de 2008

PARA QUEM É PAI/ MÃE E PARA AQUELES QUE O SERÃO...






Há um período em que os pais vão ficando órfãos dos seus próprios filhos.E que as crianças crescem independentesv de nós,como árvores tagarelas e passáros estabanados.

Crescem sem pedir licença á vida.Crescem com uma estridência alegre e,ás vezes,com alardeada arrogância.Mas não cresem todos os dias de igual maneira.crescem de repente.Um dia sentam-se perto de você no terraço e dizem uma frase com tal maturidade que você sente que não pode mais trocar as fraldas daquela criatura.

Onde é que andou crescendo aquela danadinha que você não percebeu? Cadê a pazinha de brincar na areia,as festinhas de aniversário com palhaços e o primeiro uniforme do maternal? A criança está crescendo num ritual de obediência orgânica e desobêdiencia civil.

E você está agora ali,na porta da discoteca,esperando que ela não apenas cresça,mas apareça!

Ali estão muitos pais ao volante,esperando que eles saiam esfuziantes sobre patins e cabelos longos,soltos.Entre hamburgueres e refrigerantes na esquina,lá estão os nossos filhos com o uniforme de sua geração:incomôdas mochilasda moda nos ombros.Ali estamos com os cabelos esbranquiçados.

Esses são os filhos que conseguimos gerar e amar,apesar dos golpes do vento,das colheitas,das notícias,e da ditadura das horas.E eles crescem meio amestrados,observando e aprendendo com nossos acertos e erros que não esperamos que repitam.

Há um período em que os pais vão ficando um pouco orfãos dos próprios filhos.não mais os pegaremos nas portas das discotecas e das festas.Passou o tempo do ballet,do inglês,da natação e do judô.Saíram do banco de trás e passaram pro volante de suas próprias vidas.

Deveríamos ter ido mais a cama deles ao anoitecer para ouvir sua alma respirando conversas e confidências entre o lençol da infância,e os adolescentes cobertores daquele quarto cheio de adesivos,agendas coloridas e discos ensurdecedores.

Não os levamos suficientemente ao Playcenter,ao shopping,não lhes demos suficientes hambúrgueres e cocas,não lhes compramos todos os sorvetes e roupas que gostaríamos de ter comprado.Eles cresceram sem que esgotássemos neles todo o nosso afeto.

No princípio subiam a serra ou íam á casa de praia entre embrulhos,bolachas,engarrafamentos,natais,pascoa,piscina e amiguinhos.Sim,havia as brigas dentro do carro,a disputa pela janela,os pedidos de chiclete e cantorias sem fim.

Depois chegou o tempo em que viajar com os pais começou a ser um esforço,um sofrimento,pois era ímpossivel deixar a turma e os primeiros namorados.Os pais ficaram exilados dos filhos.Tinham a solidão que sempre desejaram,mas, derrepente,morriam de saudades daqueles ''pestes''.

Chega o momento em que só nos resta ficar de longe torcendo e rezando muito(nessa hora,se a gente tinha desaprendido,reaprende a rezar) para que eles acertem nas escolhas em busca de felicidade.E que a conquistem do modo mais completo possível.

O jeito é esperar:qualquer hora podem nos dar netos.O neto é a hora do carinho ocioso e estocado,não exercido nos próprios filhos e que não pode morrer conosco.por isso os avós são tão desmesurados e distribuem tão incontrolável carinho.

Os netos são a última oportunidade de re-editar o nosso afeto.Por isso é necessário fazer alguma coisa a mais,antes que eles cresçam.

APRENDEMOS A SER FILHOS DEPOIS QUE SOMOS PAIS.




''SÓ APRENDEMOS A SER PAIS DEPOIS QUE SOMOS AVÓS''

7 de out de 2008

AMOR DE PAI



Esse sentimento é fundamental para o pleno desenvolvimento da criança
Para o bebê, a mãe é figura central. É ela que o carrega durante nove meses, o amamenta, acalenta e cria com ele uma relação praticamente simbiótica. Se meter nessa intensa ligação, é tarefa somente para o pai - que não só pode como deve fazer parte dessa troca de sentimentos e experiências. A falta desse contato pode prejudicar o desenvolvimento e o amadurecimento da criança, com reflexos na vida adulta.


Uma pessoa narcisista, sem a noção de limite, com reduzida capacidade de aceitar frustrações e de negociar. Assim pode ser uma criança que cresceu sem desgrudar da mãe. Psicólogos e psicanalistas lidam diariamente com gente grande e pequena com esse tipo de comportamento. Muitas vezes, fazem uma pergunta simples, mas de contornos complexos na busca da resposta: cadê a figura paterna nessa história?



Antes da ‘entrada' do pai, há um trabalho prévio da mãe, que deve abrir a porta do quarto do bebê para ele entrar. Há mães que não fazem isso

Quase sempre, os profissionais se deparam com a realidade de um pai ausente ou que não soube exercer seu papel. Para a psicanálise, o exercício da função paterna é crucial na trajetória de vida das pessoas. Biológico ou adotivo, o pai é aquela pessoa encarregada de introduzir o sujeito no mundo, segundo o psicanalista Jubel Barreto."Ele é o encarregado de desfazer esse idílio mãe-bebê, de instituir que a mãe não pode ser objeto totalizador de todos os desejos da criança. O pai, tomando a mãe de volta para si por ser ela a sua mulher, está mostrando ao filho que ele tem de renunciar à idéia de que somente a mãe será a sua realização", diz Barreto.



Em troca, o pai estará dando à criança o direito a entrar no jogo das relações do mundo. "Ela vai abrir mão dessa ilusão narcísica para entrar no regime de negociação, de pacto", afirma o psicanalista, ressaltando que o exercício paterno bem-sucedido depende também de um esforço da mãe. "Antes da ‘entrada' do pai, há um trabalho prévio da mãe, que deve abrir a porta do quarto do bebê para ele entrar. Há mães que não fazem isso. Que não reconhecem que há o momento de entrada do outro. O trabalho dela é de progressiva separação", revela Barreto. Nessa fase, a criança começa a se ver como uma unidade e não como extensão da mãe. Esse momento é o que precede à socialização. Isso acontece entre os seus 4, 5 ou 6 anos de idade.


Desde a barriga...


Na gestação, nascimento e acolhimento da mãe e do bebê, o pai tem um papel importante. Com sensibilidade, ele pode ajudar a mulher a sair do idílio com o filho - tão necessário no início de vida do bebê - para voltar a cumprir distintas tarefas e se realizar com outras atividades. O marido pode ainda auxiliá-la a resolver problemas rotineiros nos cuidados com neném e ajudá-la a não entrar no caminho da depressão pós-parto.


"Nos primeiros seis meses de vida, a formação psicológica da criança está acontecendo. Esse período requer uma simbiose mãe-bebê, os dois estarão misturados. A mãe, nesta fase, tem uma sensibilidade muita aguçada, o que lhe dá melhores condições para atender ao filho", afirma a psicóloga Heloísa Marton. Então é o o pai quem ajuda a mãe a se separar do filho. Se nos primeiros meses o grude mãe e filho é necessário, o distanciamento começa a ser importante. "O pai tem de estar próximo. Depois dos três meses, o pai tem de começar a levar a mãe para a vida adulta. Requisitá-la para dar umas saídas, por exemplo", declara a psicóloga.



Sem a participação do pai, há uma forte tendência de haver prejuízos no desenvolvimento da criança. No seu consultório, Heloísa Marton tem acompanhado muitos casos de ausência paterna na educação dos filhos e no cuidado com a mãe. "Até por um ciúme inconfesso, pais deixam as mães sozinhas. Em vez de assumir o sentimento, trabalhá-lo ou até mesmo disputar a mãe, eles simplesmente preferem abandoná-la. E ela, sem ajuda, tende a se fechar, e não consegue sair da simbiose com o bebê depois dos três, quatro meses", relata. Segundo Heloísa, quando se tem um filho, a parceria entre os pais deve ser plena. "Ajudar materialmente na criação dos filhos é pouco. Às vezes, até vale a pena um sacrifício financeiro, ganhar menos, trabalhar menos para estar mais com a família".


Longe dos olhos, perto do coração


E separação não é pretexto para ficar longe dos cuidados com a prole. Pai de quatro filhos, frutos de dois casamentos, o deputado federal Chico Alencar (PSol-RJ) conta que tem uma boa relação com suas ex-mulheres e que o resultado na formação de seus filhos é um conforto na hora da saudade.


"Não moro com eles, mas nos vemos com razoável, e sempre insuficiente, freqüência. Esta semana mesmo eles deixaram um recado pra mim, em Brasília, dizendo em coro: ‘Pai, estamos aqui como você gosta, todos juntos, conversando muito. Saudades, beijos'. Fiquei emocionado", lembra Chico, pai de Emanuel, 26 anos, Ana, 22 anos, Lia, 20 anos e Nina, 14.


Chico Alencar diz que o bom relacionamento com suas ex-mulheres, Angela e Cláudia, lhe dá um norte. "A parceria tem funcionado com a gente, inclusive as mães dos meus filhos são amigas entre si. Conversamos razoavelmente sobre o desenvolvimento dos meninos, especialmente quando algum está com ‘defeito', falhando aqui e ali. As mães têm muito mais percepção e sensibilidade para o que ocorre com cada um, e me orientam muito, até mesmo quanto ao papel que devo exercer, cobrando também mais presença e acompanhamento", conta o deputado.



A figura paterna


Heloísa Marton afirma que o pai tem imagens distintas para meninos e meninas. Mas, para ambos, sua presença é indispensável. Afinal, sua atuação é importante para que os meninos se percebam como homens; e, para as meninas, um pai dá segurança quando é confiável.


Pai de Elisa, de 3 anos, o eletrotécnico Carlos Alberto Nogueira Baptista sabe que sua filha o vê com um olhar diferente. "Ela acha que eu posso protegê-la do perigo todas as vezes que sente medo. Quando precisa de carinho, ou está doentinha, ela procura a a mãe", afirma. Apesar de ser visto como o forte pela sua filha, Carlos tem consciência que a autoridade, função muitas vezes atribuída ao pai, também pode e deve ser delegada à mãe. "Lá em casa, não é só eu. A gente segue um instinto e divide nessa função. Mas muitas mães são obrigadas a cumprir o papel de pai. A minha também foi pai. E também uma heroína", diz Carlos, que perdeu o pai quando tinha 2 anos de idade.

Fonte:Bolsa de mulher

CRIANÇAS PRECOÇES



Fato 1: Em março desse ano, o estudante João Victor Portellinha de Oliveira, morador de Goiânia, causou polêmica ao ser aprovado para o curso de direito da Universidade Paulista. O motivo: tratava-se de uma criança de apenas oito anos. Na ocasião, a universidade reconheceu que o menino teria feito uma boa prova e que, portanto, havia merecido a aprovação. João disse aos jornalistas que tinha achado o exame "tranqüilo", com perguntas para as quais ele já estava preparado.

Fato 2: Em agosto passado, o apresentador Fausto Silva levou até o seu programa o menino Arthur, que com três anos já sabe ler frases completas no jornal. Segundo os pais dele, a criança nunca foi à escola e hoje já arrisca escrever algumas palavras.



Os estímulos a que são submetidas as crianças de hoje ajudam o desenvolvimento de certas funções e inibem outras, como a autoria no plano das brincadeiras livres

Histórias como essas trazem à tona uma discussão importante a respeito do comportamento de crianças e jovens, que cada vez mais cedo iniciam o processo de socialização. Alguns casos podem ser encarados como especiais e, sob este ponto de vista, tratados também de uma forma específica. É o caso de crianças superdotadas, em que a precocidade de certas tarefas constitui um dos traços determinantes. Mas nem sempre os casos se tratam de superdotação. A verdade é que nossas crianças estão mais atentas, curiosas, espertas - e precoces.


Perguntas bem desenvolvidas, colocações precisas, atitudes firmes. Que pai e mãe não ficou numa situação desconfortável por causa do comportamento mais avançado do filho? Funciona mais ou menos assim: ele acaba de tirar a fralda e deixar a mamadeira de lado para te surpreender com dúvidas e certezas que você jamais imaginava ouvir nesse momento. Espirituoso, o autor e cantor Arnaldo Antunes também já se espantou com as frases filosóficas do filho. Tanto que decidiu colocá-las no papel e montar o livro "As frases de Tomé aos três anos".



Novos estímulos


Para a psicóloga e professora da PUC-Rio, Maria Inês Bittencourt, o que acontece é que os seres humanos sempre são influenciados pelo contexto da época em que vivem. A facilidade em manusear equipamentos tecnológicos e afins é, por exemplo, decorrente da inserção em um mundo onde a tecnologia já faz parte do cotidiano. "Os estímulos a que são submetidas as crianças de hoje ajudam o desenvolvimento de certas funções e inibem outras, como a autoria no plano das brincadeiras livres", afirma.


Cristina Carvalho, pedagoga infantil e também professora da PUC-Rio, explica que a curiosidade aguçada observada hoje sempre existiu; o que aconteceu foi que a posição que os pequenos ocupam na sociedade atual mudou. "A capacidade de elaborar perguntas - que muitas vezes desconcertam os adultos - sempre estiveram presentes no comportamento das crianças de qualquer período histórico. A diferença é que a concepção que se tinha delas mudou. Em determinados momentos da história da humanidade não se dava a atenção que hoje é dada a elas", diz.
Nesse caso, o que acontece é que as mudanças na organização social influenciam o modo de pensar, agir e ser das crianças, assim como o de todo ser humano. A relação estabelecida com os adultos também é fundamental para marcar o comportamento na infância. No passado, não era permitido às crianças aguçar a curiosidade - muitos assuntos eram restritos e considerados tabus. Hoje, ao contrário, desde cedo as pessoas são incentivadas a questionar e criar diante das situações e das questões que se apresentam - o que, para Cristina, é muito positivo. "Não vejo nada de negativo em ter um comportamento criativo e questionador; ao contrário, é extremamente positivo. O que não podemos é confundir questionamento com falta de respeito e compromisso. O problema é a postura que alguns adultos têm tido diante das crianças. O adulto não pode nunca esquecer o seu lugar de adulto nessa relação", enfatiza a pedagoga.


A curiosidade natural deles é que deve nortear os incentivos e nunca o inverso, pois nesse caso os resultados serão péssimos

O fato é que em alguns momentos os adultos não sabem mesmo como lidar com certas perguntas e dúvidas que as crianças têm. Ficam assustados com observações e percepções maduras a respeito das coisas. Nesse caso, a dica aos pais é dar asas à imaginação da criança, oferecendo sempre que possível resposta às suas dúvidas. Segundo Maria Inês, o que não pode acontecer é a intervenção do adulto em relação aos questionamentos dos pequenos. "A curiosidade natural deles é que deve nortear os incentivos e nunca o inverso, pois nesse caso os resultados serão péssimos", garante.


O mundo social mudou em pouco tempo, muitos comportamentos são novos e a novidade traz insegurança. "Se foge a padrões que conhecemos ou estipulamos, implica em algo novo. E o novo por vezes assusta, desestabiliza. Acho que a maior dificuldade é lidarmos com essa nova situação, pois será preciso buscar respostas, alternativas", comenta Cristina.
fonte:Bolsa de Mulher

DEMAQUILANTE...INDISPENSÁVEL



Qual mulher não gosta de fazer aquela produção e sair bem maquiada, nem que seja só de vez em quando? Querer realçar os olhos, disfarçar imperfeições, dar cor ao rosto e destacar os lábios não é nenhum pecado, mas sem os cuidados de limpeza necessários, esses hábitos podem fazer muito mal à pele. Base, sombra, batom, blush, lápis, tudo isso precisa ser retirado antes de dormir. E nem adianta vir com esse papo de "ah, amanhã eu tiro"! Para isso, estão aí os demaquilantes, item indispensável para toda mulher que quer ficar sempre bonita e com a pele mais jovem e tratada.

Para a esteticista Stella Spina, consultora técnica da Adcos, o uso do demaquilante é obrigatório. "Durante o dia, detritos de poluição, poeira, maquiagem e até restos de filtro solar aderem à pele. Por isso, é necessário higienizar profundamente o rosto para solubilizar essas substâncias, já que apenas água e sabão não conseguem dar conta", afirma. Segundo a dermatologista Kathleen Cruz, chefe do ambulatório de peeling da Sociedade Brasileira de Medicina Estética (SBME), o acúmulo de resíduos facilita o aparecimento de acnes e descamações, como a dermatite seborréica.
Os demaquilantes são soluções que têm o objetivo de limpar a pele sem agredi-la. Possuem duas funções: retirar a maquiagem e higienizar
Lave o rosto diariamente com a água corrente e um sabonete específico para seu tipo de pele.

- Use bloqueador solar FPS acima de 30 todos os dias, inclusive em dias nublados. A proteção contra luzes artificiais também é muito importante!!!


- Retire a maquiagem antes de dormir, com demaquilante ou leite de limpeza específico para seu tipo de pele, pois estes cosméticos atuam mais profundamente que um simples sabonete.


- A hidratação interna também é muito importante, por isso, beba de 8 a 10 copos de água por dia!


- Não se esqueça de incluir em sua alimentação frutas, verduras e legumes, pois estes são ricos em fibras, vitaminas e minerais, mantendo a textura de sua pele bonita e saudável!!!

18 de set de 2008

TPM...sem segredos



A tensão pré-menstrual (TPM) é um dos temas mais freqüentes quando o assunto é saúde e comportamento feminino. As mulheres têm as suas histórias para contar e os homens várias piadinhas a respeito além de certo receio. para avaliar onde a medicina evoluiu no tratamento desse problema e obter respostas para essas questões. Separei as perguntas mais freqüentes:

-Por que as mulheres sofrem com a TPM?
Quanto tempo os sintomas perduram?

Quais hormônios são esses?
Em geral, a TPM acontece antes da menstruação e está relacionada à queda abrupta dos níveis hormonais, que serão responsáveis pela menstruação. Parece haver uma íntima relação entre os hormônios sexuais femininos, as endorfinas (substâncias naturais ligadas a sensação de prazer) e os neurotransmissores, como a serotonina que explicam o sintomas e sua severidade em aproximadamente 8% das mulheres.

- A mulher com TPM sofre também de cólicas menstruais? Existe relação entre esses dois problemas?

Não necessariamente. As cólicas podem estar relacionadas a outros problemas, como endometriose, por exemplo, mas não representam sintomas típicos de TPM.

- Quais são os sintomas comportamentais e físicos mais comuns relacionados com a TPM?

Os sintomas podem variar de pessoa para pessoa. Os mais comuns são a irritabilidade, alteração de humor, depressão, ansiedade, dores nas mamas, aumento do apetite (principalmente relacionado ao consumo de doces), dores de cabeça, inchaço no corpo. Outros como distúrbios do sono, cansaço, dificuldade de concentração, dores musculares e ganho de peso, podem estar presentes.

- Tem alguma explicação científica para esse impulso de ingerir doces durante a TPM?

Esta compulsão está ligada à uma alteração dos neurotransmissores cerebrais, principalmente a serotonina, o que gera uma alteração no centro de controle do apetite, causando este sintoma. -

Existe como evitar ou diminuir essas mudanças bruscas no humor feminino? Como?

O ideal é manter uma vida equilibrada e realizar exercícios físicos aeróbicos regulares. Sabe-se que a prática dos exercícios, além de aliviar o estresse, mantém os níveis hormonais mais estáveis, evitando as alterações bruscas de humor.

- Quais os avanços mais recentes da medicina para o tratamento da TPM?

Atualmente a utilização de métodos hormonais que bloqueiam a menstruação, como o Sistema intra-uterino medicado com progesterona (Mirena ®) e o uso de novas pílulas contraceptivas de última geração que apresentam hormônio com efeito diurético (Yaz ®), tem sido consideradas as novas armas no combate à esta afecção.

Homens reconhecem a TPM da parceira, mas não sabem como agir para ajudar
Eles querem mostrar solidariedade, mas sentem-se inseguros para abordar o tema

Um estudo realizado pelo Centro de Pesquisas em Saúde Reprodutiva de Campinas (CEMICAMP) comprovou que os homens estão mais atentos e suscetíveis às mudanças de temperamento que ocorrem nas mulheres durante o ciclo menstrual. A pesquisa contou com a participação de 1.580 brasileiros, entre 20 e 35 anos, sendo 527 integrantes da ala masculina. Contrariando as expectativas, 62,1% dos entrevistados mostram-se solidários ao drama feminino desse período e buscam compreender o comportamento da parceira, enquanto 30,6% preferem evitar o contato e se mantêm afastados, evitando qualquer tipo de desentendimento.A pesquisa, intitulada Tensão Pré-menstrual: Perspectivas e Atitudes de Mulheres, Homens e Médicos Ginecologistas no Brasil , também revelou que, apesar de ser um assunto comum, as pessoas não estão abertas a discussões sobre o tema. O comportamento padrão é apenas esperar que os sintomas passem, sem procurar ajuda, o que acaba agravando o mal. As portadoras de TPM preferem recorrer, principalmente, a familiares ou amigas. Somente 35,7% afirmaram que buscam auxílio médico, enquanto 28,7% conversam com o marido ou namorado. Para o ginecologista e coordenador da pesquisa Carlos Alberto Petta, o maior ganho do estudo foi constatar que os homens evoluíram e passaram a participar mais ativamente da vida das parceiras. O público masculino se considera mais compreensivo do que as mulheres acham, prova disso é que eles estão mais vulneráveis as mudanças de humor e acreditam que esse período interfere em toda a rotina da mulher , afirma o profissional.Cerca de 70% dos participantes masculinos declararam que vivem ou já viveram com mulheres que apresentavam os sintomas da TPM e percebiam os impactos do mal na qualidade de vida delas, porém, apesar da disposição para ajudar, reconhecem que não sabem quais são as atitudes mais corretas a serem tomadas. Das mulheres entrevistadas, 80% afirmam que têm ou já tiveram TPM, enquanto 78,9% reconhecem que o parceiro consegue identificar esse período. O ponto alto da pesquisa foi revelar que a opinião sobre o comportamento do sexo oposto é vista de forma totalmente equivocada. Enquanto as mulheres acham que 11% ficam irritados e perdem a paciência, o estudo mostra que apenas 7,8% assumem que também ficam com o humor alterado nesse período. As opiniões divergentes demonstram que, mais do que imaginávamos, os homens sentem na pele os reflexos da TPM , analisa Petta.Para aliviar esses transtornos mensais, a melhor recomendação, sem dúvida, é uma boa conversa. Mas, para quem quiser se prevenir ainda mais dos típicos sintomas, a resposta pode ser alterar a alimentação nesse período. De acordo com a nutricionista funcional Daniela Jobst, consumir os alimentos certos pode ser um fator decisivo para evitar as brigas e mal-entendidos.Confira as dicas da profissional: - Pequenas refeições em curto espaço de tempo, ricas em carboidratos integrais, melhoram sintomas como a tensão e a depressão. - Algumas vitaminas contribuem para o alívio do mal, diminuindo a ansiedade (tensão nervosa, variação de humor e irritabilidade), como a B6, que pode ser encontrada em nozes, banana, brócolis e couve-flor; - A vitamina E, especificamente, alivia os sintomas da sensibilidade mamária e o magnésio diminui a retenção de líquidos e a vontade de comer doces. - A soja contribui muito para os sintomas físicos da TPM, pois possui cálcio e isoflavonas, que agem no organismo diminuindo significantemente quadros como a enxaqueca, cólicas e inchaço.

A gangorra hormonal

Devido as alterações hormonais, costuma aparecer mais intensamente de 3 a 5 dias antes da menstruação, mas também podem ocorrer até 15 dias antes e desaparecem logo no início do sangramento menstrual.Neste período, a mulher fica mais agitada, dá a vida por um chocolate, seu humor vira um poço de instabilidade e as crises de choro aparecem sem motivo. São momentos em que você quer brigar com o mundo e as pessoas mais próximas (marido, namorado e filhos) é que se tornam as maiores vítimas. Devido à queda de serotonina no organismo (vide Box Entendendo os Hormônios) surge a compulsão alimentar, um fantasma que aterroriza todas as mulheres que querem manter o peso ou emagrecer nos dias que antecedem a menstruação. A voracidade para comer carboidratos e doces beira o incontrolável e põe a perder todos os esforços da reeducação alimentar. Mas é importante ressaltar que isso não é uma regra.
Algumas atitudes podem ajudar a combater os sintomas da TPM e tornar este período menos estressante. Uma alimentação equilibrada, adequada em carboidratos complexos (cereais, pão, arroz integral e batata) fornecidos em pequenas porções durante o dia aumenta os níveis cerebrais de triptofano, o aminoácido precursor da serotonina. Além disso, é importante consumir alimentos
ricos em vitamina B6, cálcio e magnésio para repor a carência destes nutrientes no organismo. Já o magnésio, que regula a taxa de estrogênio e desempenha um papel importante na disponibilidade de serotonina, ajuda a combater o mal-estar e a irritabilidade. Ele pode ser encontrado em alimentos amarelos, como manga, abóbora, milho, em cereais integrais, lentilha, espinafre, ervilha, agrião, rúcula e tofu (queijo de soja). Já a vitamina B6 melhora principalmente a dor e a sensibilidade nas mamas e pode ser encontrada em peixes, germe de trigo, aveia, batata, arroz integral, granola, castanhas, leguminosas e banana. O cálcio, que ameniza sintomas como cansaço e fadiga, está disponível no leite e seus derivados.A prática de atividades físicas também colabora para o bem-estar, pois os exercícios estimulam a liberação de endorfina, hormônio responsável por amenizar a irritabilidade e mandar a cólica embora.
Nos casos graves de TPM, chamados de Transtorno Disfórico Pré-Menstrual, mal que atinge de 3 a 8% das mulheres em idade fértil, é necessário um tratamento conduzido por profissionais habilitados, como: ginecologista, clínico geral, endocrinologista ou psiquiatra. O diagnóstico é feito através de aplicação de questionários específicos.
Alimentos:O que é recomendado: - abacaxi, melancia, pêra, melão, chuchu ou salsão são diuréticos.- Oleaginosas (nozes, castanha do Pará ou amendôa): fontes de ácidos graxos ômegas 3 e 6, as gorduras boas que ajudam a regularizar o desequilíbrio hormonal, apesar de muito calóricas. Podem ser substituídas por atum, sardinha, semente de linhaça ou gérmen de trigo. - Arroz integral: rico em fibras e por ser digerido mais lentamente do que o branco prolonga a sensação de saciedade. Por ter vitamina B6 ele ameniza a vontade de comer doces. - Iogurte: rico em cálcio, ele ajuda no controle das cólicas e ajuda a promover a sensação de bem-estar. Outras opções: coalhada, queijo e sorvete light. - Chocolate amargo: é fonte de magnésio e reduz a compulsão por doce, além de aliviar as cólicas e diminuir a retenção de líquidos. Mas é preciso tomar muito cuidado com as quantidades (ingerir até 30g). - Beba bastante água, que é a melhor forma de ajudar a eliminar a retenção de líquido, pois estimula os rins a trabalhar mais e a eliminar o sal do organismo. O que evitar: - Frituras: ricas em gorduras saturadas, elas pioram a digestão e podem sobrecarregar o fígado, o que pode interferir na metabolização dos hormônios. - Café, chá mate ou chá preto: cafeína em excesso pode gerar irritabilidade e piorar o sono. Substituí-los por outros chás como cavalinha, que possui efeito diurético.- Diminua o sal da comida para impedir o inchaço, tão comum nesse período. Os alimentos embutidos são grande vilões. - Evitar os refrigerantes (diet, light ou normal), pois aumentam a dilatação do estômago.

TPM provoca até 150 sintomas de mal-estarInflamação generalizada, retenção líquida e humor feroz estão entre eles:
Doença, distúrbio, frescura de mulher. A verdade é que ninguém ainda conseguiu entender definitivamente o que é a TPM. Por isso hoje a definição mais aceita é que se trata de um conjunto de sintomas que surgem uns dez dias antes da menstruação. E ponto. Por isso foi batizada como síndrome.
A Medicina já catalogou mais de -- pasme! -- 150 sintomas que costumam dar as caras nesse período e que fisgam até metade das mulheres em idade fértil. Quem está por trás desses males são as oscilações normais dos hormônios nesse período. Isso mesmo: vale frisar que esse sobe-desce é absolutamente normal. Afinal, todas as mulheres, com e sem a síndrome, têm os mesmíssimos altos e baixos hormonais. O que deflagra os sintomas é a sensibilidade de cada mulher a essa gangorra.O cenário do drama está na segunda metade do ciclo feminino. É quando entra em cena a progesterona,o hormônio que prepara o corpo para a fecundação e para a gravidez, que os problemas começam. Isso porque ela também diminui os níveis de serotonina no cérebro, um neurotransmissor que dá a sensação de bem-estar. Daí os sintomas como irritabilidade, ansiedade, depressão. Mas seus efeitos não param por aí: ela também interfere na produção de aldosterona, o hormônio envolvido na retenção líquida o que causa os desagradáveis inchaços e a dor de cabeça. Como se fosse pouco, a progesterona ainda dispara a produção de prostaglandinas, substâncias que, em excesso, se tornam inflamatórias. O resultado? Dores, dores e mais dores, no corpo todo mamas, costas, músculos, etc. Com sinais tão diversos, o tratamento varia de mulher para mulher. Assim, dependendo da intensidade do sintoma, o médico pode receitar antidepressivos, antiinflamatórios, analgésicos ou diuréticos. A novidade é um novo contraceptivo oral que acaba de receber o aval contra a TPM. Por ter efeito diurético, além de prevenir a gravidez, ele ameniza os sintomas relacionados à retenção hídrica. Por isso, não deixe de procurar ajuda se o incômodo naqueles dias for realmente grande. Apesar de não ter uma cura definitiva, é perfeitamente possível manter tantos males sob controle.
 

Progesterona Copyright © 2009 Flower Garden is Designed by Ipietoon for Tadpole's Notez Flower Image by Dapino